Blog,  Mídias Sociais

Influenciadores Digitais – um canal vivo de comunicação

Participei de dois encontros presenciais falando sobre Influenciadores Digitais. O projeto Conectados é realizado mensalmente, trazendo temas atuais do meio digital, liderado pelo professor Gutenberg Almeida da UNA, em Belo Horizonte/MG.

O professor Gutenberg abriu o evento contextualizando o mercado e esta prática que não é nova – de pessoas muito conhecidas emprestarem suas imagens para uma marca/produto – em troca de money, permuta, etc.

“O livro ‘Como fazer amigos e influenciar pessoas (1ª edição 1936) mostra isso.”

ggogle trend dos termosDe cara, uma das informações que mais me chocou foi o Google Trends mostrando a diferença entre as buscas dos termos blogueiros, influenciadores e youtubers. YouTubers está disparado na frente. Ou seja, se apresentarmos o termo influenciadores digitais para muitos de nossos clientes, eles sequer vão entender do que falamos. Daí a importância do cuidado ao usar termos técnicos com possíveis clientes.

Também foi apresentando um estudo do YouPix com o nome Influencers Market e um vídeo muito interessante do sobre Influencers.

Gutenberg apresentou o Ciclo de Gartner que fala da vida de um produto/serviço e que isso vai depender do local que a empresa/marca se encontra no momento:

Captura de Tela 2017-04-06 às 18.17.31

 

Captura de Tela 2017-04-06 às 18.17.46
Pesquisa da TRACTO: http://bit.ly/2nPJwLI

“Nosso desafio é enxergar o influenciador como um canal (VIVO) de comunicação”, concluiu. 

No 1º dia participaram do evento um dos co-fundadores da plataforma Kornerz, Khalil. Ele apresentou a ferramenta que une empresas e influenciadores, com o objetivo de ser um intermediador, dentro das expectativas e objetivos de cada um.

conectados dia 1A 3ª apresentação foi do Felipe que trabalha em uma agência que contrata influenciadores que ele chama de profissionais (ou não profissionais). “Os não profissionais ainda não monetizam em cima das postagens, permutas e é bem legal trabalhar”. Bem interessante a fala dele sobre os bons resultados obtidos ao se mapear e contratar microinfluenciadores, mas, também o cuidado com o background de cada um para obterem bons resultados. Inclusive, a análise que fazem de perfis que compraram seguidores que “são facilmente desmascarados” neste processo. Este tipo de ação com microinfluenciadores parte do ponto de vista de quando não se tem tanto budget para esta ação. 

Dicas:

  • Saber exatamente qual público pretende atingir
  • Selecione o nicho
  • Analisa o engajamento e alcance do influencer
  • O primeiro contato é feito como pessoa física e não pela agência.
  • Adequar a linguagem para conversar com microinfluencer
  • Manter contato com o influencer durante a ação.
  • O engajamento é muito maior quando o post/foto é produzida pelo próprio influenciador
  • Mensuração

Dica para o influenciador:

  • Ter um objetivo e saber claramente sobre o que pretende falar.

conectados dia 1 2A 4ª apresentação foi um case do Bruno Marco da Founders falando sobre a campanha da Itambé chamada #Itambest que contou com a participação dos Influencers globais: Mariana Rios, Rodrigo Simas e Giovanna Lancellotti. A ação de branding movimentou as redes sociais da Itambé que premiou vencedores semanais com uma GoPro e dois vencedores ao final da campanha com duas viagens sugeridas para Paris ou Caribe. Aqui, falando do ponto de vista de quando a marca tem budget para investir na contratação de pessoas mais conhecidas. 

Uma fala muito interessante foi da Ayala Melgaço (Mafalda Comunica) sobre o fato de pessoas que colocam em suas “bios” que são influenciadores digitais. “Quem é  influenciador de fato não precisa dizer que é, as pessoas sabem”.

Ao longo da discussão profissionais do mercado de BH falaram sobre suas experiências e o público interagiu com perguntas. Entre eles Alexandre Borges, Ayala Melgaço, Bruno Marco, Felipe Xavier, Khalil Jezini, Lu Moraes, Lucas Azevedo, Lucas Vitorino, Magno Martins e eu. 

Destaco alguns insigths dos participantes da mesa:

“É preciso pensar nesta responsabilidade social que há no envolvimento tanto da marca com o influenciador, quanto do influenciador com a marca. Se alguém agir errado no meio deste processo, ambos podem ter um belo arranhão em seu nome”.

“Se não houver transparência entre os influenciadores e as marcas, isso não será realidade para o público”.

“Não é só contratar um influenciador digital e fazer um post bonito. Há todo um planejamento digital em que a ação do influencer é apenas uma das partes dele. Um post em si, sozinho não trará resultados, mas, toda a estratégia em andamento”.

“O Marketing tem essa mania de criar novos nomes para práticas que já existiam, como esse de ‘influenciadores digitais'”.

“A questão não é se os influenciadores vão acabar. Assim como aconteceu com os blogueiros, eles não morreram, mas, se transformaram. A questão é como o conteúdo vai se transformar para atender as demandas. Exemplo: vídeos em 360º graus que vão além do relato, mas, geram uma experiência para o internauta”. 

“O desafio da comunicação é como construir conteúdos para não se tornar mais do mesmo”.

“Os influenciadores levam as pessoas a realizar uma ação. Todo mundo conheceu aquele cara na escola que quando ia em uma festa, todos também queriam ir. Se tinha determinado tênis, era a mesma coisa”.

“Quando eu contrato um influenciador, não quero que ele exponha minha marca – tenho outros meios para isso. Quando contrato um influenciador quero que ele faça as pessoas agirem, ir até minha loja adquirir meu produto”.

“Nem sempre o influenciador digital fará uma campanha para ter relação com a marca para o resto da vida. Podem ser campanhas sazonais como Natal, Dias das Mães e tal. A campanha vai servir para vender”. 

“Quando pensamos. O influenciador apenas como um canal de mídias, temos esse ‘medo’ dele acabar. Mas, quando falamos um canal vivo de comunicação, sabemos que ele se transforma”.

conectados dia 2 1
2º dia dos Influenciadores Digitais: eu, Ayala Melgaço e Magno Almeida

“Antes chamávamos os influenciadores de formadores de opinião”.

“Tem dinheiro para investir? É melhor você fazer um post pago do que comprar seguidores”.

“O combo do fracasso é você comprar seguidores e colocar na sua bio que é um influenciador digital”. 

“É importante ter bons valores agregados ao seu nome (seja marca, seja influenciador)”.

“É importante construir conteúdo relevante para o blog, o Google aponta os internautas para ele”.

“Contratar um influenciador apenas não vai resolver todos os problemas de sua marca. A estratégia de comunicação como um todo, sites e redes sociais bem atualizados, coerentes, sim”.

Outro ponto abordado no debate foi sobre identificar um post como Merchan/Publi ou não. Foi falado que o próprio YouTube exige que seja informado no vídeo quando ele é merchan. O publipost precisa ser identificado para não enganar o internauta.

No 2º dia do Influenciadores Digitais após a apresentação do professor Gutenberg, Magno Almeida apresentou o TCC dele que foi pautado em um vídeo da youtuber Jout Jout com a marca Narin.

Super vale a pena assistir ao vídeo.

Alguns pontos que ele destacou:

  • Criador de conteúdo: são denominados todos os usuários atuantes na plataforma YouTube.
  • YouTuber é um termo criado pela mídia de massa para determinar as atividades de criadores de conteúdo do YouTube.
  • Influenciador digital: indivíduos que possuem popularidade elevada em redes sociais diversas. 

Ele destacou os diferentes tipos de Merchandising:

  • Merchandising unboxing: a marca envia seu produto para o criador de conteúdo do YouTube avaliar. (Vídeos em que você vê o youtuber abrindo a caixa e usando o produto).
  • Review: análise de algum produto ou serviço após a utilização. 
  • Ranking: lista de produtos de uma determinada marca.
  • Presença VIP: comparecer em festas, eventos, visitas entre outros.
  • Campanhas institucionais: representante de um novo produto e/ou serviço de uma empresa.

Cuidados do Influenciador:

  • Compreender seu poder de influência.
  • Pesquisar sobre a atuação da empresa no mercado.
  • Ser transparente com seu público – informar quando é merchan.
  • Demonstrar a experiência mostrado no merchan.

Fizeram parte da mesa neste dia Ayala Melgaço, Magno Almeida e eu, sob o comando do prof. Gutenberg.

Foram mais de 120 perguntas enviadas pelos participantes dos dias dias. Algumas muito interessantes e outra que nos dão vontade de chorar. O Magno fez um ótimo post compilando estas perguntas. Vale a pena conferir! 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *